Resenha - Aquele do Cachalote

09:50 @Tiabetok 4 Comentários


          Como todo bom clássico, Moby Dick só veio ter seu reconhecimento postumamente. Muitos, apesar de não tê-lo lido tem conhecimento da obra por conta de sua grande influencia (no pica pau por exemplo!) e citações diversas. Não faz o meu gênero favorito, e confesso ter ficado desentusiasmada por conta dos exageros de capítulos (150) intercalados entre curtos e longos. Toneladas de informações sobre navios baleeiros, vida dos marinheiros com a preocupação de comprovar a veracidade de todas os fatos utilizando citações de outras obras (mesmo que por vezes pareça um tanto surreal). 

           Louca de vontade de desistir da leitura por conta das longas narrativas informativas sobre a pesca das baleias (onde New Bedford, cidade norte americana que dominava o setor), já que todos os assuntos (mesmo que diluídos em poemas, canções, narrativas interináveis) se resumem a baleia! Sem necessariamente chegar até A Baleia. No entanto a obsessão do personagem me fez refletir sobre o comportamento humano, a (i)racionalidade,  quanto se mobilizaria para conseguir algo inalcançável.

             Blablablá e nada da tal baleia, o que nos leva a outro ponto: Moby Dick é real ou ou fruto da imaginação e da compulsão do Capitão? Se for real, seria a baleia apenas guiada por instintos, ou nos deparamos com um animal inteligente que vive numa brincadeira perigosa com a tripulação? 

"...e seus imediatos deram graças a Deus por finalmente ter levado aquela terrível loucura, ainda assim, no mais profundo do seu ser, Acab continuava a delirar. A loucura humana é a coisa mais matreira e felina que existe. Quando se pensa que ela se foi, pode ter se disfarçado em uma forma bem mais sutil. A loucura de Acab não terminou, apenas escondera-se, [...]"


ALERTA DE SPOILER (mini)

               Não é uma história com final feliz para todos os personagens, uma vez que metaforicamente nos avisa que "a ambição destrói". Depois do barco atingido pelo cachalote e a tentativa de fuga frustrada, Ismael (nosso narrador) vê todos morrerem (inclusive o Capitão Acab e o Quequeeg, seu melhor amigo) e quando nada mais parece ser possível, a grande baleia branca emerge das águas para a sua salvação. Previsível? Sim, muito! Mas não desmerece o valor literário da obra.

Vencida mais uma etapa do desafio literário
(li um livro com mais de 500 páginas)
 Meu exemplar é da Martin Claret, Série Ouro, com 569 páginas



4 deram importância:

Gordice #1 - Bolo de maçã - Light

14:53 @Tiabetok 15 Comentários

Hey baby's
           O desafio diy deste mês propôs os seguintes temas: encadernação manual (que fiz aqui ó), iluminação (que postei lá no grupo mas vou deixar para por no blog em outra ocasião) e gordices. SIM, GORDICES. Como meu médico disse que se eu não tomar vergonha na cara e comer direito eu vou morrer, aqui em casa estamos na batalha de substituir ingredientes para que eu consiga meus tão queridos aninhos a mais de vida, ou seja, não é uma modinha fit nem veganismo nem nada, são ordens médicas. Então para o desafio de gordice desse mês trago a todos o bolinho não gordo de maçã, que não leva trigo nem óleo!!!!


Nível: fácil   Porção: 5 unidades

Ingredientes:
2 maçãs sem casca
1 banana média
1 ovo + 1 clara
1 xíc de chá de farelo de aveia
1 colher de fermento

Opcional: frutas cristalizadas/canela/adoçante culinário

Preparo: No liquidificador bata as maçãs, a banana e os ovos. Em uma bacia coloque a aveia e o fermento. Acrescente a mistura e mexa sem bater. assim que homogeneizar coloque na(s) forma(s). Não precisa untar. Leve ao forno (médio/200º) por aproximadamente 35 min.

Caso coloque as frutas cristalizadas e o adoçante culinário, não os bata no liquidificador. Salpique canela por cima.



OPINIÃO: Amante de porcarias não podia deixar de dar minha opinião sobre as gororobas light que estou sendo obrigada a comer, o bolo ele realmente fica bonito e fofinho, não é ruim, mas não é...tipo... Ual, que bolo! Provavelmente meu paladar nada refinado esteja revoltado por não ver nenhuma cobertura de chocolate jorrando como uma montanha de açúcar, é uma boa opção para acompanhar um café no fim de tarde.

15 deram importância:

Últimos segundos - Editado

13:51 @Tiabetok 11 Comentários

     
       
          É incontável a quantidade de vezes que nos perguntamos sobre isso sem dar a devida atenção. Lembro que era uma das perguntas recorrentes dos cadernos de perguntas que, nossa, como perdíamos horas respondendo aquilo no tempo do colégio. De uns tempos para cá confesso ter pensado no assunto com mais seriedade. Talvez, o câncer do meu marido me tenha posto em alerta para o fatídico último dia, que nunca sabemos quando será. Independente se fosse o dele ou o meu. São as ultimas horas, últimos segundo de se ter algo bom para todo o resto ter valido a pena.
         Não, ele não morreu, vai muito bem, obrigada, mas a sensação de morbidez nos acompanhou ainda um tempo - mesmo que curto - e fantasiamos alguns momentos únicos para quando essa hora, enfim, chegar. Se fosse uma escolha minha desejaria estar só. Veja bem, não é egoísmo, mas é difícil escolher uma única pessoa que seja importante para dedicar meus últimos instantes com ela; e ainda é injusto, fazê-la fingir que está tudo bem e agir naturalmente como se nada tivesse acontecido e que tudo vai ser lindo de novo ao amanhecer. Prefiro escolher aquele disco empoeirado, o caixote cheio de fotos e diários e a poltrona mais confortável que já existiu em todo o mundo. 
           O sentimento seria único: não iria de forma alguma lamentar o fim dessa jornada e mau dizer os céus pela injustiça cometida. Iria chorar de rir daquelas fotos medonhas que minha mãe sempre fez questão de tirar de quando éramos crianças. Um aperto no coração de lembrar do primeiro namoradinho da escola, dos times de basquete, as medalhas ganhas com todo esforço. Os familiares que se foram antes, os que estarão chegando. Reler todas as cartas de amor e o quanto foi importante guardar aquele papel de bombom. Ler no diário que aquele beijo era só mais um de uma "curtida de fim de semana" mas que resultou na família que construí. Desejei passar todos os meus dias até o ultimo momento ao lado dele; mas não suportaria a ideia de vê-lo em desespero ao me ver partir. 
          Claro que isso é uma proposta fantasiosa, afinal todos temos um medo irracional da morte, principalmente de morrermos a sós; e pela ordem das coisas quem deve ir primeiro é ele, não que isso seja regra definitiva pois o universo conspira com doenças inexplicáveis, ataques fulminantes, acidentes e violência gratuita. Nem decidir como morrer em paz podemos mais! Então, meus últimos segundos são todos os dias, no momento em que acordo com vida e preparo aquele super café da manhã digno de propaganda de margarina, e antes de dormir dividindo minhas particularidades, metas não cumpridas e historinhas do passado, fazendo o meu presente, o meu agora ser tão importante quanto meu último dia. Fazendo valer a vida que tenho antes que ela se esgote, pois nas condições atuais, talvez nem o segundo de lamentação possa ser possível.

Post para Blogagem Coletiva do Blogs Up


OBS: Gente, pelamodi!!! É só um texto ok?!, No fim da postagem coloquei "para a blogagem coletiva", Últimos segundos é um tema a qual vários blogueiros precisaram desenvolver; meu marido não está doente, e nem sou casada (moro com meu namorado a um tempo); é apenas uma narrativa em primeira pessoa. Tanto que os marcadores são "blog, coletivo e texto" e não "cotidiano, eu ou pessoal", então por favor, não surtem; vieram perguntar (pessoalmente) se ele estava bem porque postei que ele estava doente e para morrer, isso não se faz, viu! Um pouquinho mais de atenção da próxima vez para que esse tipo de caso não volte a acontecer, por favor. Agradeço a preocupação de todos, mesmo assim. Atentem-se aos marcadores.
Grata pela atenção

11 deram importância:

Dia do Blogueiro \o/ Um viva para nós

12:11 @Tiabetok 22 Comentários

             Oi xu’s da minha vida! Hoje, dia 20 de março é considerado, por nós, dia do Blogueiro, assim como em 31 de agosto é considerado dia do Blog. Apesar de não ser uma data oficial, acaba sendo importante para quem dedica um tempinho do seu dia para dividir assuntos variados com os leitores/seguidores. Uma vez que, a blogosfera tem crescido em proporções gigantescas, muitos de nós deixaram de ter apenas vínculos virtuais com outros blogueiros, fazendo-os participarem ativamente em nossas vidas. O grupo de Blogueiras Paraenses, a qual faço parte, propôs que fizéssemos uma postagem coletiva com o tema: Coisas que o Blog mudou na minha vida, então lá vamos nós:


              Comecei com o blog em 2005 após uma “amiga” do fotolog ( lembram-se disso?) deu a maior força para que eu criasse um. Criei. O título era enorme: Talvez não seja só bobagem; e era um blog pessoal (coisa rara de se ver hoje em dia). Postava trechos dos meus diários e recriava histórias em cima de minhas próprias vivências. Foi incrivelmente importante na minha formação pessoal, pois desenvolvi uma boa narrativa, isso fez melhorar minhas notas na escola e a passar no vestibular (onde redação é tudo). Além de conhecer – virtualmente – pessoas fantásticas com quem troco fofuras e carinhos até hoje.

            Depois disso, moderei o Coisa de Livro, exclusivamente para resenhas literárias. Proporcionou-me conhecer vários autores nacionais e me relacionar com alguns deles. Sem contar que ganhar livros é muito, muito bom mesmo, foi uma ocupação com retorno; as editoras super atenciosas às vezes nos deixavam escolher o título que tínhamos curiosidade em ler. No entanto, sempre há aquele livro que acaba nos decepcionando, que não correspondeu as expectativas, e que você TEM QUE FALAR BEM PORQUE GANHOU O LIVRO, sua função é falar bem da obra para que ela venda! E cheguei numa fase onde eu realmente dizia as falhas do livro, os desvios de caráter dos personagens e comparava-os a outras obras então não agradava muito as editoras (risos).

             Devido a estudo, trabalho e preguiça, passei pouco mais de um ano sem blogar. Queria que o conteúdo voltasse a ter a minha cara, independente da quantidade de seguidores. Foi quando percebi que escrever é difícil, depois de passar muito tempo sem escrever e ler percebi que não conseguia voltar a fazer crônicas e/ou contos que eu considerasse bons. Novamente em roda de conversas com amigos blogueiros consegui motivação e apoio para voltar. Hoje, com o Desconstruindo trago basicamente os textos que eram a proposta inicial, Diy’s porque realmente uso as coisas que faço (pela falta de grana para comprar), resenhas literárias com o meu ponto sobre as obras,  agora voltei a ter tempo para leituras e desafios que me proponho a fazer. Assim mantenho o blog com conteúdo diversificado e totalmente a minha cara. Uma desconstrução de mim.


Os pontos positivos de se ter um blog:
           Independente do conteúdo postado, manter um blog é manter relação com outras pessoas, diferentes lugares e culturas, abre portas para novas amizades, discussões saudáveis, amadurecimento de ideias e riqueza de conhecimentos. Além de publicidade grátis: Muitos blogueiros viraram autores de livros, e usaram seus espaços para própria divulgação e interação com público (ex: Depois dos quinze e Eu me chamo Antônio).

O ponto negativo de se ter um blog:
              Quando você se dispõe a por uma ideia na rede (seja em blog ou perfis pessoais) corre o risco de sofrer alguns ataques de corajosos anônimos, ou ataques diretos de gente que não sabe discutir, apenas querem menosprezar o seu jeito de pensar ou simplesmente não vão com a sua cara. Por conta de comportamentos assim o Cyberbullying virou crime e pode ser denunciado em qualquer delegacia. Basta você conter provas (prints são suficientes) e leva-las a delegacia mais próxima. Ainda estou esperando para fazer a denuncia formal (apesar de já ter coletado todas as provas) pois o comportamento “dessas pessoas maduras” não afeta em nada minha vida pessoal, só que, em bate papos com pessoas que já sofreram disso, conheci gente que perdeu amigos, emprego e quase se mataram... então o assunto é realmente sério e se você passa por isso, DENUNCIE!

Blogs que sigo
               Particularmente prefiro os blogs pequenos, pois estes não trazem a missão de agradar a tudo e todos. Blogs pessoais são realmente meus favoritos, e acompanho alguns literários para matar curiosidade de algumas obras e decidir qual a próxima que vou ler.

Parabéns pra você que tenta ser bonitinha na foto e depois esconde toda a maquiagem atras dos seus óculos

Queridos, acho que é bem isso aí que coloquei. 
Agradeço a todos que seguem, que comentam, 
que visitam, por estarem ajudando a desenvolver 
este espaço


Blogueiras Paraenses:


Um salve para o meu maninho Denis de Brito que está com um projeto lindo/assustador de contos, seus blogs são O Poeta e a Madrugada e  Dark Dreams Project


22 deram importância:

Desafio Diy: Encadernação

12:16 @Tiabetok 12 Comentários

          Hey xu's, o desafio Diy desse mês propôs que fizéssemos nossa própria encadernação, seja de agenda, caderno ou bloquinho. Escolhi um nini moleskine. Como é bem facilzinho de fazer e eu esqueci de fotografar o passo a passo, vou deixar o link da postagem que segui para fazer o meu: do blog lindo e maravilhoso Todo mel da flor. Ah, agora o Desafio Diy tem perfil no Pinterest, para conferir o que o grupinho apronta é só clicar AQUI


           Como eu já tenho agendas, blocos, planner, tudo para esse ano, fiz um bloco com poucas folhas para poder executar o item 49 das 101 coisas em 1001 dias. Costurei com linha preta para ficar mais fácil de visualizar na foto:


Ei, lembram do desafio Diy do mês passado? Ensinei a envelhecer papel, usei a mesma técnica para fazer a capa, depois de seco o papel, "me desenhei" na capa:






       Ah, aproveitei duas agendas velhas, dessas que a gente ganha no trabalho sabe? e encapei: a primeira com o bloquinho encapei com contact (coringa da minha vida agora) o bloquinho era de "brinde" do treinamento da empresa, agora eles são um conjunto. A outra encapei com resto de tecido de uma saia que cortei, uso ela na faculdade e todo mundo acha linda, é uma agenda de 2011, daquelas permanentes, então não precisei comprar nenhuma agenda esse ano.


Xerinhos


12 deram importância:

Tag: Liebster Award

12:11 @Tiabetok 5 Comentários

Pessoas lindas da minha vida, fui indicada pela fofa da Brenda, do Blog Virei princesa (e por outras blogueiras a qual não consigo lembrar agora - me desculpem pelamórdi!!!!!!) para responder a tag Liebster Award, então bora lá:

11 fatos sobre mim:
1 - sou ambidestra
2 - cozinho bem
3 - não penteio o cabelo
4 - coisas absurdas acontecem quando eu limpo a casa (tipo eu imitar o Fred Mercury em  I WANT TO BREAK FREE)
5 - não tive lua de mel
6 - parei de usar calça jeans a quase cinco anos (as vezes tenho que usar por conta de trabalho, congresso e afins, mas realmente não uso calça jeans, tenho duas apenas para esse tipo de necessidade)
7 - Sou incrivelmente ciumenta (embora todos achem que não)
8 - danço bem
9 - meu inglês é péssimo
10 - Sofro cyberbullying por pessoas que se diziam amigas (simplesmente ignoro por achar que isso é coisa de gente que tem problemas mentais sérios)
11 - EU CAGO E ANDO PARA O QUE FALAM DE MIM!!!!!!!!

Perguntinhas da Brenda:
1-Quanto tempo tem o blog?
O primeiro blog eu criei em 2005, este é do fim do ano passado.

2-Qual sua série favorita?
Nossa, difícil, Estou amando Gothan e muito ansiosa para a estréia da quinta temporada de GOT

3-Qual tipo de post você mais gosta de fazer?
Textos pessoais, no entanto não é um assunto tão chamativo assim, a internet mudou e as pessoas se entediam fácil demais, então estou tentando dar uma mudada nos conteúdos.

4-Qual foi a última música que ouviu?
Blessing - do Alborosie (vício de marido)

5-Qual sua gordice favorita?
Farofa, sério, tudo vira farofa aqui em casa, até casca de fruta ou de legume

6-Tem alguma coleção? Qual?
Quadrinhos, tenho os que herdei do meu pai do Fantasma e x man, e os meus são Batman (algumas das sagas completas e da Mulher Gato.

7-Qual seu blog favorito?
Homem da Casa

8-O que menos gosta em um blog?
aquelas postagens sobre looks tiradas de lookbook, é repetitivo e chato

9-Qual o seu sonho?
Fazer uma viagem internacional com meu marido

10-Qual foi a sua maior conquista de 2014²
Reestruturar minha família

11-O que te faz feliz?
a simplicidade do lar


Minhas 11 perguntas

1 - Qual o significado do título do seu blog?
2 - sua cor favorita?
3 - Qual seu personagem favorito (desenho, livro, tv ...)?
4 - qual seu gênero musical favorito?
5 - Qual seu estilo literário favorito?
6 - Quantos são na sua família?
7 - Um filme que te marcou
8 - Do que você sente mais falta?
9 - Qual seu maior sonho?
10 - Qual a melhor coisa que você já fez por alguém?
11 - Qual o valor de PI  (desculpe, tô sem perguntas)?



Os bróguis:

Se tudo pode ser
De bem com quem
Mania de coque
Penteadeira da Ana
Chofer de Madame
Blog da Lary
Meu mural de ideias
Blog da Bru

E, sinto muito, não vai dá pra rolar mais indicações porque os blogs que conheço e frequento já responderam, então por hoje é tudo pessoal.




5 deram importância:

Draminhas femininos

06:51 @Tiabetok 4 Comentários


Primeiro a organização, em seguida os comentários, os convites e as combinações para a chegada. Mas nada é tão sacrificante para uma mulher quanto escolher a roupa certa, para o evento certo. A certeza é variável.

           Tomo um banho bem demorado de banheira. Alguns sais, um vinho tinto, ao som de Back for tha attack do dokken. Aliás, muito boa essa banda, deveria ouvir mais vezes em outros banhos demorados enquanto o mundo explode lá fora.
Saio da banheira, enrolo-me no roupão, ando, não, danço em direção ao quarto; o vinho acabou, o disco não; abro o closet, oh céus, o closet! Cabides e cabides de roupas que forçam a personalidade feminina. Do floral ao xadrez, do amarelo ao preto. Do longo ao micro. Meia, meia calça, calça e meia, meia blusa, meio eu meio a artista de TV.

           Todos estarão lá. Os ex PAQUERAS , ex pretendentes, ex colegas, ex ex, os futuros paqueras, os futuros casos, o próximo namorado junto com o antigo. O antigo. O primeiro! O passado que não passa, não em mim. e a roupa. Com que roupa? E a dúvida de para quem estou me arrumando? Para o ex? para o próximo? Para mim? oh, céus, o closet parece pequeno diante das minhas dúvidas de mulher  fútil.

             Se me arrumo para o ex, que conhece bem minhas formas e eu conheço bem o seu gosto, opto pelo vermelho provocante e apaixonante, difícil de resistir. Um bom decote ou costas nuas, pernas amostras e um belo salto para alongá-las. Uma maquiagem escura nos olhos, acompanhada dos cílios postiços. O cabelo solto. Tudo ao melhor estilo Jéssica Habit. O coração dele dispara. Seus olhos e de seus amigos me guiando por onde eu passar. Ele explode de raiva por dentro quando alguém ao seu lado faz o comentário – O que você tinha na cabeça quando a deixou? Ele vai embora. Eu vou embora – porém realizada.

              Se me arrumo para o próximo, que não sei quem é, o que pensa e nem o que gosta;  opto pelo pretinho básico nada básico. Algo classiquinho romântico. O bom colar de pérolas, falsas claro, tão falsas quanto a imagem de alguém pode ser, meia calças, scarpin, cabelo preso e uma boa tiara. Uma imitação de Audrey Hepburn, versão balada. Talvez uma calcinha bem sexy. Nunca se sabe o que acontece no primeiro encontro – isso se for o primeiro. Ele olha, se interessa. Aproxima-se, oferece um drink . Tem um bom papo e um beijo maravilhoso. Ele vai embora. Eu vou embora – vamos juntos.

            Se me arrumo para mim, que já pensei em todas as combinações possíveis e impossíveis para os metros e metros de tecidos que ali estão. Escolho o casual confortável. Que não chama a atenção de ninguém, nem mesmo a minha. O básico calça e camisa e sandália e coque e maquiagem apagada. O mais real possível. Realidade é avessa a aparência.

          Opto por arrumar-me para mim: coloco o pijama de bolinhas e meu par de meias favorito, acendo um cigarro, coloco mais vinho. Troco o disco que aquele acabou faz tempo, quem sabe Cinderella ou Poison; não; vou ver Highlander!

- Não vou pirar por causa de uma festa. Todos irão. Não sentirão minha falta.

4 deram importância:

Resenha - A guerra das sombras - I

14:58 @Tiabetok 20 Comentários


A Guerra das Sombras
O Livro de Dinaer
Jorge Tavares
editora Novo Século


Sinopse: A Guerra das Sombras é um livro de aventura, passado em um universo fantástico. Em suas páginas, estão descritos dois grandes conflitos que se desenrolam concomitantemente. O primeiro, e mais evidente deles, dá-se entre reinos de homens mortais. Paralelamente, acontece um embate oculto entre forças sobre-humanas. E é nas conseqüências de ambos os embates sobre a vida de Rairom Guenor e de seu irmão Tairom que se encontra o foco central da narrativa.

           A guerra das Sombras é uma série composta por quatro livros ( O livro de Dinaer, o Livro de Ariela, o Livro de Laios ,  e o Livro de Iazmein). Nunca devemos julgar um livro pela capa, conselho sábio que deve ser seguido na maioria das vezes, no entanto em a guerra das sombras o livro não deixa a desejar nem mesmo no projeto gráfico que compões as capas. Todas são perfeitamente lindas. São as lombadas mais lindas da minha estante, garanto (infelizmente me falta o segundo livro pois o autor não o tinha mais em estoque, mas já estou providenciando. Os livros que me foi enviado pelo autor Jorge Tavares – Obrigada.).

A guerra das Sombras
O livro de Dinaer
              Provavelmente vocês não sabem, mas eu tenho dificuldade em ler livros cujos personagens carregam nomes confusos. Os nomes são incomuns e muito parecidos, mas garanto que com um pouquinho de atenção este problema é resolvido sem muito prejuízo a leitura.
Jorge Tavares criou um mundo fantástico com direito a linguagem própria, muita magia, guerras e até a forma que o tempo é contado é diferentes. Um livro muito original que nos prende do inicio ao fim. É uma narrativa simples, sem muitos rodeios. Uma história bem contada, cenários bem descritos e personagens marcantes. Juro a vocês que estou totalmente apaixonada pelo Zairom e por sua personalidade – até desenhei-o e preguei no meu mural- mas infelizmente ele não é o centro da narrativa.
                Zairom ocupava o trono da Terra dos Filhos do Fogo e era casado com Liana – uma nobre de família falida- que lhe dera um filho Tairom. Zairom já tinha um filho antes do casamento chamado Rairom – eu disse, nomes parecidos- . Os primeiros capítulos descrevem como Zairom governa – e muito bem – a Terra dos Filhos do Fogo, mostrando seus talentos para luta e sua inteligência brilhante, apesar de parecer firo a calculista você pode notar que ele simplesmente defende o que acredita, luta pelo que é melhor para sua família e seu povo.
                 Rairom, o filho mais velho, não quer ser guerreiro como o pai, quer ser Mago e treina duro para isso. Capítulos mais tarde percebemos que ele não é um humano comum, mas um ser que guarda muito poder, algo que confundiu até mesmo o Mago Diom, o mais forte, e que era encarregado de treinar Rairom. O garoto ainda é atormentado por um estranho pesadelo, uma forma de presságio que com certeza significa alguma coisa. Mas o que poderá ser? Eu descobri, e garanto que se você ler o livro vai se encantar tanto quanto eu com a história.
Mais informações sobre a coleção


O autor
              Jorge Luiz Vieira Tavares, além de escritor, é diplomata. Nasceus na cidade do Rio de Janeiro em 1978. Com um ano de idade, mudou-se para o Paraná, onde passou a infância e adolescência. Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Paraná em 2001. Foi aprovado no concurso de admissão à Carreira Diplomatica em 2003, razão pela qual atualmente reside em Brasília. Em 2005, terminou o curso de mestrado em diplomacia pelo instituto Rio Branco. Seu primeiro Romance “A Guerra das Sombras”, divide-se em quatro Volumes, escritos entre 1999 e 2006.


              GENTEEEEEE, ele foi um fofo ao conversar comigo, elogiando a resenha e batendo um papo sobre a obra, de inicio enviou-me apenas o primeiro livro, então começamos a discutir a obra e ele simplesmente me mandou o restante do seu próprio acervo, sem entrar em contato com a editora (sem o segundo volume pois não dispunha mais), só tenho a agradecer e indicar a obra. Vou aguardar a feira do livro para garantir o livro que falta, assim leio logo os outros do desafio que estão atrasados.
 Beijão para vocês



20 deram importância:

8 x 8 - março - rotina

09:59 @Tiabetok 19 Comentários

Hey xuxu's, feliz dia das mulheres para todas. Mas o post de hoje não é sobre isso; tá, eu sei que é importante mas, realmente me esqueci completamente e não preparei nada, e hoje é dia do projeto 8 x 8 e este é o único dia que estou postando na data certa. O tema do mês foi ROTINA e eu simplesmente adorei porque é simples e bem pessoal, dando pra conhecer um pouquinho melhor cada um dos gostos e manias do grupo de blogueiras do projeto.


Porque não adianta maquiagem, pele limpa e humor maravilhoso quando o seu cabelo tem vida própria. O drama de todos os dia


colar amor do Pequeno Príncipe que não sai do meu pescoço para nada


Um minutinho de dedicação todos os dias


Diários, um hobby necessário


Sobremesa de preguiçoso: danone congelado com calda de chocolate e farelo


Das idas frequentes até a ponte


Vez ou outra fazer um agradinho para o amor 


Ele, me acusando de ter comido alguma coisa que sumiu misteriosamente (todo dia!)




E aí, gostou?
Estes são os blogs das outras fofas que fazem o desafio 

19 deram importância:

Do que ficou para trás

04:28 @Tiabetok 32 Comentários


 Nostalgia é saudade do que vivi,
melancolia é saudade do que não vivi
Carlos Heitor Cony


         Fui passar uma tarde com minha mãe no Caratateua, interior a qual temos familiares e passei boa parte da minha infância. Lá havia [há] um sobrado, daqueles de construções bem antigas. Diziam por lá que foi construído por um Português, que esperava um dia arrumar um barco e voltar para sua terra, por isso foi construído na beira do cais; passado de geração em geração até chegar na nossa família, em partes, tendo em vista que todos daquele lugar são da mesma família! Não dá para saber quem é seu primo mesmo e quem não é, na verdade nem importa a árvore genealógica de cada um, quando a acolhida é sincera. 

         O que quero destacar neste texto é o Sobrado, sim, com "s" maiúsculo! O objeto de desejo da minha infância. Você provavelmente deve ter sonhado em ser bailarina, cantora famosa, em ter um quarto cheinho de bonecas, eu queria o Sobrado. Ora vejam, em uma cidadezinha de interior, de casas construídas de barro, onde um quarto era dividido para no mínimo quatro pessoas, o sobrado para mim é como a mansão da Barbie. Toda vez que voltava ao Caratateua, tinha porque tinha de "visitar" a "maravilha arquitetônica" que sempre me despertou desejos, e dessa vez não seria diferente.


            Ao chegar me deparei com as ruínas que o lugar se tornou. Não dá para acreditar no que meu castelo colonial virara: deixara de ser rustico e elegante, em sua estrutura é visível os traços do depredamento e o descaso dos que alí ainda habitam. Em seu interior novas vidas arbóreas preenchem o vazio que as noites boêmias deixaram para trás, e em mim, um misto de sentimentos que não sei ao certo explicar. 

          Desse misto de sentimentos destaquei algumas lembranças e vontades, e relendo meus velhos diários me pus logo a rir ao me deparar com o trecho: [...] então eu dizia: - quando eu crescer e ficar rica, vou comprar o sobrado, vai ter um quarto para cada um, a gente não vai nunca mais comprar algodão, e ninguém mais vai brigar quando tirarmos frutinhas das árvores; e ninguém vai obrigar a gente a tomar banho de noite com a água gelada do poço [...]. Verdade, o algodão! Certa vez, deveria ter uns 11 anos de idade, fui pegar algodão, sem necessidade, só queria ir no sobrado, e vi uma menina loira sentada na beira do poço, fiquei olhando porque eu nunca tinha visto a menina por alí, e claro que eu não esqueceria aquele rosto, então ela se joga no poço e eu continuo no mesmo lugar, atônita, porque não sabia exatamente o que fazer; o importante deste fato é a explicação que tive ao chegar em casa: "-minha filha, é a Mãe do Poço, ainda bem que você não foi atras, porque senão ela ia te puxar para dentro do poço, ah, minha filha." O certo é que ninguém morreu nesse dia, e eu cresci achando que tinha pego sol demais por isso havia delirado e, que meus parentes são meio loucos! 


              Sempre que relembro os fatos da minha vida, seja nos diários, nas fotografias antigas ou até mesmo nas músicas do É o Tchan, dá aquele calorzinho no coração, um aperto que não chega a ser ruim, mesmo quando as lembranças não são das melhores; saudades dos amigos que passaram em nossas vidas e que de certo fazem parte de nós mesmo que não estejam mais tão presentes, daqueles que partiram e não podem mais voltar; dos primos todos que você nem sabe o nome mas o apelidos estão frescos na memória, uma tarde em que seu irmão foi o melhor do mundo, mesmo que na mesma noite ele tenha voltado a ser o insuportável de sempre, da cartinha do namoradinho do colégio [em pensar que eu realmente saí com aquele cara!?], a receita da torta de batata da Vovó que por mais que você siga ingrediente por ingrediente, grama por grama e cronometre os minutos, jamais ficarão iguais as dela. 
             Talvez, relembrar as lembranças seja revivê-las com sentimentos diferentes, alguns mais intensos quanto antes; é um olhar para trás sem a opção de voltar e só imaginar os possíveis futuros que delas decorreriam;  e isso é o que as tornam tão importantes. É eu imaginar como seria realmente ter comprado o Sobrado, e visto que lá não tem mais pés de algodão, que nenhum dos primos moraria comigo e que por fim, o poço secou.





Essa é minha mãe: eu quero estar assim com 45 anos !!!!!!!!!!!!!!!!


32 deram importância:

Diy: molduras, alce e fotos fail

06:53 @Tiabetok 17 Comentários

Hey xu´s


           No post passado comentei sobre a iniciativa da Bianca, o Desafio Diy, a proposta foi fotografia. "Depois das máquinas digitais, a gente foi perdendo o costume de ter nossas fotos impressas, né? E é tão gostoso fazer isso! Montar álbuns, murais, varal de fotos, quadros. Então a primeira proposta é essa: tire suas fotos preferidas do computador e crie um projetinho super lindo usando elas!"

Pedindo desculpa pelas imagens: meu quarto é escuro então tive de usar o flash, como não tenho um equipamento bacaninha nem tive tempo de fazer um com papel alumínio, as fotos ficaram desse jeito!
                Eis que finalmente acabei fazendo o mural de fotos que havia prometido a mim mesma fazer em 2012 (me julguem). Não exatamente do jeito que eu queria! Novamente vou ressaltar que, moro de aluguel e não posso fazer nada, nadica de nada nas paredes, então a solução mais prática para mim foi usar o contact. O local escolhido foi meu desktop, queria fazer na sala mas como a casa é um ovo, não disponho de uma parede lisa na sala.
               Só para variar, nada que eu resolvo fazer dá muito certo porque há uma conspiração alienígena regendo minha vida: Fui imprimir as fotos e a tinta acabou, ficaram toscas; minha fita dupla face de "gosminha" acabou e não achei em nenhum papelaria daqui, a parede do meu quarto tem uma cor estranha, meio vomito de caju então o resultado não ficou tão bom quanto eu esperava. e as fotos ficaram estranhas por causa do flash.


          Lembram do alce do natal? Pois é, reaproveitei ele, joguei para a parede do lado e nos "chiefres" coloquei algumas fotos. As molduras eu fiz bem simples, olhando alguns modelos do google mesmo, não cheguei a usar nenhum gabarito. O "H" estava nas coisas do meu sogro (que é americano), dos tempos do colegial, era do time em que ele jogava futebol americano na adolescência (minha fita de gosminha acabou e a dupla face não colou o "H" que é muito pesado, por isso ele está cheio de durex), o "B" (de Betok e Butch) eu fiz usando um papel mais grosso e encapando com contact (a lateral) e tecido.


'
            Achei lindas as molduras coloridas com silhuetas que encontrei enquanto procurava inspiração para a parede, desenhei o Butch e eu e cortei para ver como ficava, tentei refazer no papel sem pauta mas não ficou tão bom quanto esse (risos) resolvi deixar assim mesmo por um tempo. A patinha representa nosso amor por cachorro (são cinco ao todo). 

Ignorem minha cara de bunda sem maquiagem e da cor da parede: estava muito frio e eu fiquei com muita preguiça de fazer "reboco na face"


Pois éééééé. Essa foi a minha última participação no desafio Diy de fevereiro, então, até o próximo

BÔNUS:
Com o resto do contact fiz pássaros para o Balcão que separa a copa da cozinha
Papel cartão preto virou porta recados (ou agenda de pizzarias)


17 deram importância: